quinta-feira, 22 de abril de 2010

Salve Brasília, a estranha cidade do rock

Ontem foi aniversario de 50 anos de Brasília. Morei lá por quase um ano. Em 1988. Era uma época que eu vivia “passando uns tempos” em lugares diferentes.

Fui trabalhar numa loja de primos e curtir o rock. Estava numa fase bem radical (imagem ... meu retrato 3x4 da época). Saí de Foz do Iguaçu, onde passei os melhores anos da minha adolescência – talvez até mais envolvido com o rock que hoje – e acabei participando de uma turma de punks brasilienses.

Cheguei numa entressafra de bandas. As mais badaladas já haviam mudado para o Rio de janeiro (Legião Urbana, Plebe Rude, Capital Inicial). A segunda geração de bandas de Brasília estava se conhecendo. Então não vi muitos shows nessa época. Mas lembro de algumas festas bem bacanas em mansões nos Lagos Sul ou Norte. O esquema era bem legal: a família viajava e o pessoal alugava a mansão para dar festas de rock. Numa dessas eu vi um show do Detrito Federal.

Outra lembrança bacana é que comprei vários discos de vinil bem legais. Além de sebos que trabalhavam com rock independente, havia uma loja num shopping que recebia todos os lançamentos das majors e nessa época o mercado fonográfico tinha bastante novidade.

Por outro lado, eu nunca me acostumei com aquela coisa de quadra pra isso, quadra pra aquilo, setor disso e daquilo. Mesmo que fosse na parte de diversão, com os diversos bares no Gilbertinho.
Foi também em Brasília que tive contato com os fanzines e, na volta para Maringá, lancei primeiro fanzine de Maringá, o The Wild Side.

Curiosamente, depois que fui embora de Brasília, poucos anos depois, passei a ter contatos com bandas novas brasilienses que acabei virando amigo e levei para tocar em Maringá. Como Low Dream e Little Quail and the Mad Birds.
A coisa deve estar muito diferente hoje, mas não dá para negar que Brasília é um lugar diferenciado. Só mesmo quem morou lá e conhece outros lugares sabe essa diferença.
Fica aqui a homenagem de um ex-morador citando a Plebe Rude com uma letra que fala exatamente dessa diferença e simbolismos:
"...Brasília tem centros comerciais Muitos porteiros e pessoas normais ..."

2 comentários:

Vidal Balielo Jr. disse...

LOCURA LOCURA LOCURA!!!!!

Rafael Zanatta disse...

CARALHO!! OLHA O SEU 3X4!!!!