sexta-feira, 10 de junho de 2011

Especial no radio com bandas de Maringá


Amanhã teremos o programa Zombilly no Radio especial com Bandas de Maringá. Como se isso já não fosse bacana o suficiente porque as mais de dez radios maringaenses não tocam absolutamente nada dos artistas locais, nós faremos vários lançamentos. Até agora são oito bandas que passaram músicas novas para tocarmos amanhã.
Estou há duas semanas trabalhando nesse programa que era para ter ido ao ar na semana passada. Mas como editei a entrevista com o Marco Butcher a tempo, segurei o especial com as bandas locais. E ainda ontem recebi material.
Essa é a quarta vez que fazemos um programa tocando bandas de Maringá. E ocasionalmente também tocamos entre blocos dos programas na programação normal.

Então, falta de espaço e oportunidade não falta, já que a UEM FM tem uma boa audiência. O que falta mesmo são as bandas participarem mais dos eventos e iniciativas. O bacana também é ver outros "produtores" tendo essa iniciativa ao invés de ficar só puxando o saco de bandas de fora... e, muitas delas, piores que as maringaenses.
Agradecemos as bandas que participaram desse programa. Quem tiver banda e quiser ouvir sua música no radio ou tocar no Projeto Zombilly, basta entrar em contato.

Essas são algumas das bandas que vão rolar amanhã: The While, Professor Astromar & Os Criadores de Lobisomem, Stone Ferrari, Anônimos Aduzidos, A Inimitável Fábrica de Jipes, Betty by Alone, Copacabana Pé Vermelho, Tiny Cables Ink, A Familia Palim, Salamanders, Patriotas do Rock, Draw the Line, Radio Pandas, Brian Oblivion & Seus Raios Catódicos, Os Bandidos Molhados, Evilasio-Macowski, Os Alces, entre outras.

7 comentários:

Patriotas do Rock disse...

ROCKINGA:

Temos que rever quais são as bandas autorais de verdade, não troca de letrinhas com plágio indireto de Radiohead, AC/DC, Pearl Jam, ou mesmo puxando riffs e solos de guitarra de outras de bandas da cidade, com tempo diferenciado, tomando a melodia. Se a falta de criatividade é aguda, porque em vez de serem iguais as influências para agradar os amiguinhos, vão ser realmente originais de verdade e mostrar que tem algo diferente para tocar.

Até tempos atrás vimos discussão por direitos autorais, sem crédito ao artista, vimos outros estilos na cidade gravando música sem autorização do autor. Acho que devemos rever esta situação, porque ninguém gosta de trabalhar e no final do mês outra pessoa ganha sua remuneração sem sabem quem é e o por quê que fez.

Vamos ser morais e acima de tudo respeitar o que não é de nossa propriedade.

Ramonesmania disse...

Poxa quanta banda de Maringá fazendo um som legal, ouvi o programa e gostei bastante do que ouvi muitas bandas diferentes e com boa qualidade.

ROCK BIKES disse...

Valeu a força Andye. curti muito o programa. Parabéns pela seleção. Maringá tem muita galera fazendo som maneiro. Escutei na estrada. Cara e não acreditei no alcance da UEM-FM. Escutei com qualidade até Rolandia. Incrível!

Caio disse...

Ah pára...
temos que ser um pouco mais razoáveis.
Se fosse pra eu boicotar todas as bandas que gosto e que façam "plágio indireto" talvez estaria ouvindo só músicas da Pré-história, mais precisamente, dos antropóides do terciário (wikipedia, hehe), esses sim são 100% originais.
Se tem cara querendo copiar ou não uma banda que ele gosta, problema é o dele. O melhor a se fazer é parar de ficar choramingando por aqui e correr atrás do seu som original de verdade.

Caio Raduy Koslyk disse...

E, claro, parabéns ao Andye por ter aberto mais um espaço pras bandas maringaenses.
A quantidade e qualidade das bandas autorais é muito grande, se formos levar em conta outras cidades do porte de Maringá.
Valeu, Andye.

AMIGÃO disse...

Por mim, o plágio é só 1 sentimento nostalgico pro finado rock. Eu qro ver mesmo alguém fazer algo usando o cérebro, pq, a bateria clássica do rock...pqp, até cara sem 1 braço toca. Outra coisa que tbm dá no saco é o reducionismo da surf music: beach boys, men at work que se fôda, né? Dick Dale que é mais batido que bunda de escravo é que é legal, correto? Isso é 1 merda, pq quem faz surf music de 1 ou outro jeito acaba sendo desbancado por "surfers" "cults" que (tenho certeza) viram Pulp Fiction.Querem a fórmula secreta? Abandonem a imagem de rockstar californiano (camisas xadrezas hiper transadas, munhequeiras e demais adornos), passem a compor de modo nu e cru, e não com distorções, explorem batidas diferentes, abandonem covers batidos, abandonem quaisquer covers, parem de ler Jack Kerouak, parem com AC/DC, limpem a mente de vcs, surpreendam aqueles que vão com a certeza de que irão ouvir algo óbvio. E digo mais e pra concluir: pra fazer o que 90% faz, dá pra se fazer com o pé nas costas, de tão óbvio que a coisa tá!

sinho disse...

Som autoral agora virou moda!
Até Paulinho Schoffen faz som autoral porra! PQP, querem discutir autenticidade? Ouça esse mesmo programa daqui uns 10anos.. A relevância de cada trabalho deve perdurar de acordo com sua qualidade sonora. Estética é pra quem faz moda e impacto social é coisa pra antropólogo.